​SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL

No Brasil, os médicos pedem socorro. Em levantamento exclusivo para o Fantástico, o Conselho Federal de Medicina, junto com a ONG Contas Abertas, revela os gastos públicos per capita com saúde no país.

Rio de Janeiro, São Paulo ,Salvador e Distrito Federal vivem graves crises na saúde pública. A partir dos números, o programa visita hospitais nessas três capitais e registra fatos que explicam a tragédia no atendimento público à população.

No Rio, por exemplo, o diretor do hospital Pedro Ernesto abre as portas e mostra a ala de neurocirurgia de alta tecnologia, que está inutilizada porque não há quem retire o lixo ou lave os lençóis.

A verdade é que chegamos a um ponto em que a saúde pública no Brasil necessita, com muita urgência, de mais atenção dos órgãos competentes. A realidade nos mostra um país desestabilizado onde as políticas públicas são incoerentes e desrespeitam a sociedade. É vergonhoso ver o povo mendigando por atendimento e os hospitais não poderem oferecer o que manda a Constituição.

As vítimas desse caos público somos nada mais, nada menos que nós mesmos. É evidente que nosso país não é dos melhores e que somos taxados como país de terceiro mundo. Mas o povo humilde que sofre com tantas filas, greves e falta de remédios, merece ser tratado como terceiros?

Concluímos que saúde não dá voto, por isso o governo não oferece os investimentos necessários ao setor. O que dá voto são as obras faraônicas, muitas até desnecessárias, como a construção de tantos novos estádios para a Copa de 2016. Ou até mesmo de estruturas para as Olimpíadas do Rio de Janeiro.